An Oak Tree – Michael Craig-Martin

Em 2005, quando eu e os outros superphones fomos para Londres, uma das coisas mais legais que tive chance de fazer foi ir à Tate Modern. Foi um dos lugares mais incríveis que tive chance de conhecer, e eu certamente queria levar toda a livraria da galeria comigo.

Ao longo do passeio pelo lugar, lotado de obras realmente incríveis, essa abaixo foi a que acho até hoje a obra de arte mais genial que eu já vi. Tu entrava na sala e via uma estante de vidro presa alto em uma parede com um pequeno copo de água em cima. Perto da estante estava fixado uma folha de papel com uma entrevista com o autor da obra. A entrevista segue abaixo da imagem. Desculpe o pessoal que não lê inglês, mas eu já tô levando horas escrendo isso no trabalho, e ainda ficar traduzindo o texto seria cara-de-pau demais. Aos que lêem inglês, espero que gostem tanto quanto eu.

An Oak Tree

Q. To begin with, could you describe this work?

A. Yes, of course. What I've done is change a glass of water into a full-grown oak tree without altering the accidents of the glass of water.

Q. The accidents?

A. Yes. The colour, feel, weight, size ...

Q. Do you mean that the glass of water is a symbol of an oak tree?

A. No. It's not a symbol. I've changed the physical substance of the glass of water into that of an oak tree.

Q. It looks like a glass of water.

A. Of course it does. I didn't change its appearance. But it's not a glass of water, it's an oak tree.

Q. Can you prove what you've claimed to have done?

A. Well, yes and no. I claim to have maintained the physical form of the glass of water and, as you can see, I have. However, as one normally looks for evidence of physical change in terms of altered form, no such proof exists.

Q. Haven't you simply called this glass of water an oak tree?

A. Absolutely not. It is not a glass of water anymore. I have changed its actual substance. It would no longer be accurate to call it a glass of water. One could call it anything one wished but that would not alter the fact that it is an oak tree.

Q. Isn't this just a case of the emperor's new clothes?

A. No. With the emperor's new clothes people claimed to see something that wasn't there because they felt they should. I would be very surprised if anyone told me they saw an oak tree.

Q. Was it difficult to effect the change?

A. No effort at all. But it took me years of work before I realised I could do it.

Q. When precisely did the glass of water become an oak tree?

A. When I put the water in the glass.

Q. Does this happen every time you fill a glass with water?

A. No, of course not. Only when I intend to change it into an oak tree.

Q. Then intention causes the change?

A. I would say it precipitates the change.

Q. You don't know how you do it?

A. It contradicts what I feel I know about cause and effect.

Q. It seems to me that you are claiming to have worked a miracle. Isn't that the case?

A. I'm flattered that you think so.

Q. But aren't you the only person who can do something like this?

A. How could I know?

Q. Could you teach others to do it?

A. No, it's not something one can teach.

Q. Do you consider that changing the glass of water into an oak tree constitutes an art work?

A. Yes.

Q. What precisely is the art work? The glass of water?

A. There is no glass of water anymore.

Q. The process of change?

A. There is no process involved in the change.

Q. The oak tree?

A. Yes. The oak tree.

Q. But the oak tree only exists in the mind.

A. No. The actual oak tree is physically present but in the form of the glass of water. As the glass of water was a particular glass of water, the oak tree is also a particular oak tree. To conceive the category 'oak tree' or to picture a particular oak tree is not to understand and experience what appears to be a glass of water as an oak tree. Just as it is imperceivable it also inconceivable.

Q. Did the particular oak tree exist somewhere else before it took the form of a glass of water?

A. No. This particular oak tree did not exist previously. I should also point out that it does not and will not ever have any other form than that of a glass of water.

Q. How long will it continue to be an oak tree?

A. Until I change it.

3 Responses to “An Oak Tree – Michael Craig-Martin”

  1. M Says:

    Melhor obra de arte que eu já tive o prazer de observar. Fantástico.

    às vezes, até é possível ter fé na criatividade humana.

    mas só às vezes.😀

    M.

  2. Pedro Belleza Says:

    Foguinho, eu já tinha traduzido uma vez pra colocar no meu fotolog.

    Aqui vai o texto:

    Pergunta:
    Para começar, você poderia descrever este trabalho?

    Resposta:
    Sim, claro. O que fiz foi transformar um copo d´água em um carvalho adulto, sem alterar as características do copo d´água.

    Pergunta:
    Características?

    Resposta:
    Sim, a cor, a sensação, o peso, o tamanho…

    Pergunta:
    Você quer dizer que o copo d´água é um símbolo de um carvalho?

    Resposta:
    Não. Não é um símbolo. Eu transformei a substância física do copo d´água em um carvalho.

    Pergunta:
    Mas se parece com um copo d´água.

    Resposta:
    Claro que se parece. Eu não mudei sua aparência. Mas não é um copo d´água, é um carvalho.

    Pergunta:
    Você pode provar o que você afirma ter feito?

    Resposta:
    Bem… Sim e não. Eu afirmo ter mantido a forma física do copo d´água, e como você pode ver, eu mantive.
    No entanto, como normalmente procurarmos por evidências da mudança física em termos de alterar a forma, não existe prova para isso.

    Pergunta:
    Não teria você simplesmente chamado o copo d´água de carvalho?

    Resposta:
    Claro que não. Já não é mais um copo d´água.
    Eu transformei sua real essência. Chamar isso de um copo d´água já não é mais correto. Qualquer um pode chama-lo do que bem entender, mas isso não vai alterar o fato de ser um carvalho.

    Pergunta:
    Isto não é igual a história da roupa do rei?

    Resposta:
    Não. Na história da roupa do rei, as pessoas afirmavam ver algo que não existia. Eu ficaria muito surpreso se alguém me dissesse que isto é um carvalho.

    Pergunta:
    Foi difícil fazer a transformação?

    Resposta:
    Não, não foi difícil. Mas custou anos de trabalho antes de perceber que poderia fazê-lo.

    Pergunta:
    Quando exatamente o copo d´água se tornou um carvalho?

    Resposta:
    Quando eu coloquei a água no copo.

    Pergunta:
    Isso acontece sempre que você enche um copo d´água?

    Resposta:
    Não, claro que não. Apenas quando eu tenho a intenção de transforma-lo em um carvalho.

    Pergunta:
    Então é a intenção que faz a transformação?

    Resposta:
    Eu diria que é um começo.

    Pergunta:
    Você não sabe como fazer?

    Resposta:
    Isso contradiz o que sinto e o que sei sobre causa e efeito.

    Pergunta:
    Parece que você afirma ter feito um milagre. É isso mesmo?

    Resposta:
    Estou lisonjeado que você pense assim

    Pergunta:
    Mas, você não seria a única pessoa que pode fazer algo assim?

    Resposta:
    Como eu poderia saber?

    Pergunta:
    Você poderia ensinar isto para outras pessoas?

    Resposta:
    Não, não é algo que eu possa ensinar.

    Pergunta:
    Você considera que a transformação do copo d´água em um carvalho constitui uma obra de arte?

    Resposta:
    Sim

    Pergunta:
    O que exatamente é a obra de arte? O copo d´água?

    Resposta:
    Não existe mais um copo d´água

    Pergunta:
    O processo de transformação?

    Resposta:
    Não existe nenhum processo na transformação.

    Pergunta:
    O carvalho?

    Resposta:
    Sim, o carvalho.

    Pergunta:
    Mas o carvalho só existe na imaginação?

    Resposta:
    Não. Na verdade o carvalho está fisicamente presente, mas na forma de um copo d´água. Assim como um copo d´água é um copo d´água, um carvalho também é um carvalho.
    Assimilar categoricamente um carvalho ou imaginar um carvalho em especial, não é o mesmo que compreender o que parece ser um copo d´água como um carvalho.
    Isto é tão imperceptível quanto inconcebível.

    Pergunta:
    Este carvalho em especial existiu de verdade em algum lugar antes de se transformar em copo d´água?

    Resposta:
    Não. Este carvalho em especial nunca existiu antes. Também devo afirmar que ele nunca teve nem nunca terá outra forma além do copo d´água.

    Pergunta:
    Por quanto tempo isto continuará sendo um carvalho?

    Resposta:
    Até que eu o mude.

  3. foguinho Says:

    Bah!! Grande Pidrim! Valeu pela tradução!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: